Arquivo para 'Famosos'

História

 

São João Batista – Wikimedia Commons

O POSSÍVEL AMOR DE LEONARDO DA VINCI
Gian Giacomo Caprotti era um dos assistentes mais próximos do mestre renascentista, além de suposto amante e inspiração para suas grandes obras .

“Ilegítimo, gay, vegetariano, canhoto, facilmente distraído e às vezes herético”. Assim descreveu Walter Isaacson um dos maiores gênios da História, na biografia Leonardo da Vinci (2018). Os talentos do mestre renascentista já não conhecidos por todos, seus trabalhos no ramo das artes, ciência, engenharia, arquitetura são venerados ainda hoje, 500 anos depois de sua morte.

No entanto, um aspecto de sua trajetória parece chamar mais atenção do que outros: sua vida íntima. Sem nunca ter casado ou deixado qualquer herdeiro, o debate em torno de sua sexualidade acontece com frequência, considerando a possibilidade de o pintor ser homossexual.

Artista Leonardo Da Vinci / Crédito: Getty Images

“Ao mesmo tempo, entre os escritos de Leonardo aparecem vários desenhos de órgãos genitais femininos e referências ao orgasmo da mulher. Ele devia saber do que estava falando para escrever isso com tanta precisão”, alegou o professor Alessandro Vezzosi, especialista na vida do artista italiano.

Apesar de tanto mistério, uma figura em especial, presente por muitos anos, na vida de Da Vinci pode ser associada como um amante — e possível inspiração — por trás de muitas obras famosas, como as de São João Batista e de Baco.

Gian Giacomo Caprotti, posteriormente chamado por Leonardo de Salaì (pequeno demônio), chegou ao ateliê, localizado em Milão, quando tinha apenas 10 anos, em 1490. Logo de tornou um aprendiz do artista e, cada vez mais, atraía sua atenção. Nessa época, o pintor já estava com 30 anos de idade.

Ao envelhecer ganhou o apelido de Salaì, em referência a sua notável beleza. Ele impressionava o renascentista, que o retratou em suas renomadas obras. Alguns historiadores consideram a hipótese de Giacomo ter sido a inspiração por trás de Mona Lisa — algo que nunca foi comprovado.

Desenho de Da Vinci que pode ser Salaì / Crédito: Wikimedia Commons

É indiscutível a relevância de Caprotti na vida de seu mestre. “Ele era um garoto da classe trabalhadora e, evidentemente, muito difícil de lidar, mas acabou ficando com Leonardo por 25 anos”, contou Brian Mullin, organizador de uma ópera que celebra a vida do multiartista, em entrevista à BBC, em 2019.

Pela proximidade do pintor com seu assistente, especialistas supõe que havia algo que ia além da relação profissional. Dado que o italiano não deixou diários pessoais, o que dificulta compreender sua fascinante saga.

A partir de poucas anotações que Alex Mills e Brian Mullin resgataram para criar o espetáculo, sabe-se que Da Vinci e Caprotti mantinham um relacionamento intenso e profundo. Presenteando-o com roupas caras, o levando para viagens constantes. “Todo mundo considera que ele foi companheiro de Leonardo”.

A relação de ambos passou por uma turbulência em 1505, quando outro assistente chegou à oficina de Leonardo. Este era Francesco Melzi, um jovem de família nobre que se tornou secretário particular do renascentista. Diferente de Salaì, Melzi tinha uma relação de pai e filho com Da Vinci, sendo chamado de Mestre Francesco por ele.

Ao analisar as obras de Leonardo, Martin Clayton, chefe de gravuras e desenhos do Royal Collection Trust considera que os assistentes representavam dois lados distintos do próprio artista. Sendo que Salaì seria uma faceta sombria. “Apresentar Salaí como o lado sombrio e reprovador e Melzi como o lado sólido e trabalhador, diz algo muito válido sobre Da Vinci”, opinou Clayton.

De fato, Caprotti se afastou de Da Vinci após a chegada de Melzi. Quando o mestre renascentista se mudou para França. Ele permaneceu em Milão e, já não estava ao lado do italiano em sua morte, no ano de 1519.

Outro aspecto enigmático sobre a relação dos dois, é que após a morte de Leonardo, Giacomo quase nada herdou, apenas algumas telas que pesquisadores hoje suspeitam que foram falsificadas, ou mesmo roubadas. Por outro lado, Melzi ficou com pinturas, desenhos e alguns cadernos, como um guardião do legado intelectual de seu mestre.

Gian Caprotti após o falecimento de Da Vinci casou-se com Bianca Coldirodi d’Annono e, um ano depois, morreu em um duelo, em 1524, na cidade de Milão.

Cortador inox de tortas e bolos na Maison Pitombo
Pedidos: (75) 98806-3055/3625-7772

Jardins

 

Margot e sua filha Paula Pitombo Monteiro colhendo flores na sua fazenda

CURTINDO E CUIDANDO DA NATUREZA
Dr. Volney Pitombo e sua família, em tempos de pandemia aproveitam maior tempo em sua Fazenda Paraízo, em Secretário (estado do Rio). Margot uma das mulheres mais refinadas do Rio de Janeiro tem disponibilizado seu tempo de finais de semana ao lado da filha Paula para cuidar da bela área  florida de sua fazenda. Já, Dr. Volney Pitombo em companhia de seu genro  Fabio Monteiro usam a bela biblioteca  para aprimorar seus conhecimentos.

RESTAURANTES E LANCHONETES ABERTOS
A partir dessa terça-feira todos os restaurantes e lanchonetes de Feira de Santana estão autorizados a funcionar. Será necessário seguir todas as medidas de segurança para  proteger seus clientes e funcionários.

FESTEJOS À SANTA DULCE DOS POBRES
A comunidade católica festeja, desde o último sábado (1), a trezena dedicada a Santa Dulce dos Pobres, primeira santa nascida no Brasil. A festa que terá seu encerramento no dia 13, com a celebração eucarística solene, às 9h, presidida pelo Arcebispo de Salvador e Primaz do Brasil, cardeal Dom Sergio da Rocha,

Entre os momentos marcantes da programação, as Obras Sociais Irmã Dulce (Osid) programaram, para o próximo domingo (9), a partir das 10h30, uma carreata com peregrinação da imagem da Santa Dulce dos Pobres percorrendo as ruas de Salvador.

RICARDO ISHMAEL LANÇA LIVRO
O jornalista Ricardo Ishmael está lançando seu primeiro livro infanto-juvenil. Por causa da pandemia do novo coronavírus, o lançamento será em dois momentos: uma live especial no dia 07 de agosto, às 19h, no @ricardoishmael e um evento físico, no pós-pandemia, em data a ser definida quando for possível promover esse tipo de ação em livrarias de Salvador e nas cidades do interior da Bahia.

CERTIFICAÇÃO FRANCESA PARA PRODUTOS ORGÂNICOS
O Boticário conquistou uma certificação que tem tudo a ver com a proposta de sua primeira linha de produtos orgânicos. A nova linha Nativa SPA Orgânico, que deve chegar às prateleiras em outubro, já nasce certificada pela Ecocert, instituto de inspeção e certificação orgânica, fundado na França, e que atualmente está presente em mais de 130 países.

NOVO IMPOSTO A VISTA
O presidente Jair Bolsonaro afirmou que autorizou o ministro da Economia, Paulo Guedes, a discutir a criação de um novo imposto baseado nos moldes da antiga Contribuição Provisória sobre Movimentações Financeiras (CPMF). No entanto, ele destacou que a eventual adoção dessa medida deve vir acompanhada de desonerações ou extinção de algum tributo atualmente em vigor, de acordo com declarações publicadas pela mídia.

GLOBO PREPARA PACOTE DE REVIRAVOLTAS
Faustão e William Bonner, possivelmente, podem deixar as atuais atrações que apresenta, o Domingão e o Jornal Nacional, respectivamente, e Xuxa poderá voltar para casa onde se lançou ao estrelato. Faustão já sinalizou na Globo que quer trabalhar até 2022. Os próximos dois anos serão uma espécie de despedida do veterano, que completou 31 anos à frente do Domingão.

FESTIVAL DE INVERNO
Previsto para acontecer neste mês de agosto, em Vitória da Conquista, o Festival de Inverno Bahia 2020 foi cancelado em decorrência da pandemia do novo coronavírus.  A decisão foi oficializada na segunda-feira, (3).

NOVO TRATAMENTO À COVID-19 VIA ANAL
O prefeito de Itajaí (SC), Volnei Morastoni (MDB) afirmou, na noite da terça-feira, (3), em uma live no Facebook que pretende adicionar como opção de tratamento à covid-19 na cidade a administração de ozônio, pelo ânus, nos casos positivos para a doença.

MULHER É ENTERRADA NO LUGAR DE OUTRA EM FEIRA DE SANTANA
Uma troca de corpos provocou um enterro por engano na manhã do domingo, (2), no cemitério São João Batista, aqui em Feira de Santana. De acordo com familiares de Maria Luiza Brito Santos, 59 anos, que morreu no Hospital Cleriston Andrade (HGCA), ela teve o seu corpo trocado com outra mulher, que também se chamava Maria, pela equipe do hospital responsável pela liberação dos corpos.

Cortador inox de tortas e bolos na Maison Pitombo
Pedidos: (75) 98806-3055/3625-7772

História

Vítima da enfermidade – Domínio Público

ENFERMIDADE DO SONO
Depois da Primeira Guerra, uma estranha enfermidade atingiu mais de um milhão de pessoas; muitas pessoas passaram a viver presas dentro dos próprios corpos.

A doença do sono, ou encefalite letárgica, atingiu cerca de um milhão de pessoas após a Primeira Guerra Mundial e intrigou médicos e profissionais da saúde. Como consequência, milhares de pessoas morreram, enquanto outras acabaram tornando-se estátuas vivas e passaram o resto da vida presas em seus corpos, sendo impedidas de se movimentar ou até mesmo falar.

Até os dias atuais não foi possível encontrar uma resposta para a causa da doença ou até mesmo como tratá-la. A enfermidade teria se espalhado mundialmente na mesma época em que a gripe espanhola, tendo o início da epidemia começado por volta de 1915 e 1916.

Na época, os soldados que apresentaram sintomas da doença como sono profundo, chamado de letargia, foram examinados por médicos em Paris e diagnosticados como uma reação ao gás mostarda, bastante usado durante o conflito. Porém, o diagnóstico estava errado.

Soldados dormindo nas trincheiras / Créditos: Getty Images

Após testemunhar os mesmos sintomas em civis, um neurologista de Viena, Constantin von Economo, escreveu um artigo chamado “Die Encephalitis lethargica”, descrevendo de forma detalhada a doença. Em pouco tempo seu nome se associou a enfermidade que passou a ser conhecida como doença de von Economo.

De acordo com relatórios médicos, aproximadamente um terço dos infectados acabou morrendo por causa da doença, enquanto apenas 20% sobreviveu, mas necessitavam de cuidados especiais. Menos de um terço desse número teve uma recuperação completa e pôde viver sua vida normalmente.

Os principais afetados foram jovens e adultos de 15 à 35 anos, e os sintomas iniciais eram similares ao da gripe: febre alta, dores de cabeça, sensação de cansaço e coriza. Por esse motivo, muitos não procuravam o médico de imediato, o que dava mais tempo para que o vírus se espalhasse pelo cérebro.

As autópsias realizadas pelo neurologista constataram que uma das principais causas das mortes foi o inchaço do hipotálamo, parte do cérebro responsável por controlar diversas funções, incluindo o sono. A epidemia da doença do sono começou a desaparecer apenas 10 anos após a publicação do artigo de von Economo.

Diversos cientistas acreditam que essa é uma doença do século passado e que não existem mais riscos. Entretanto, o virologista John Oxford discorda completamente dessa visão. “Eu certamente acho que o que quer que tenha causado, poderia atacar novamente. E até sabermos o que causou isso, não poderemos impedir que isso aconteça novamente”, disse John.

Em 1993, assim como Oxford havia dito, a doença do sono ressurgiu. Uma garota chamada Becky Howells foi diagnosticada com a encefalite letárgica e levou anos para se recuperar. Desde então, diversos outros casos também acabaram aparecendo e levantaram novas pesquisas que continuam sem respostas esclarecedoras. A doença continua sendo um dos maiores mistérios médicos da história.

Demissão

 

Avião da companhia aérea Latam no pátio do Aeroporto Internacional de São Paulo — Foto: Celso Tavares/G1

 

LATAM DEMITE 2.700 PILOTOS E COMISSÁRIOS
Afetada pela crise econômica provocada pelo coronavírus, a companhia aérea Latam informou nesta sexta-feira (31) que vai iniciar um processo de demissão de, no mínimo, 2,7 mil pilotos e comissários. O corte equivale a 38% do total de tripulantes, segundo o Sindicato Nacional dos Aeronautas (SNA). Em comunicado, a empresa afirmou que decidiu abrir um pedido de demissão voluntária (PDV) de hoje até 4 de agosto. Depois, serão iniciados os desligamentos.

VENENO DE ARANHA BRASILEIRA CAUSA EREÇÃO DE ATÉ 4 HORAS
Um estudo publicado no Journal of Sexual Medicine por pesquisadores da Faculdade de Medicina da Georgia afirma que o veneno de uma aranha brasileira pode ser uma alternativa para a impotência sexual masculina. Segundo informações do jornal britânico Daily Mail, o veneno da Armadeira, uma das aranhas mais agressivas do mundo, pode causar uma ereção de até quatro horas.

Os pesquisadores aplicaram uma substância presente no veneno, a toxina PnTx2-6, em ratos hipertensos e com disfunção sexual. O resultado foi a normalização das ereções, ou seja, acabou com a disfunção erétil dos animais.

No entanto, a picada da aranha não é recomendada fora do ambiente de análise. De acordo com especialistas, além do priapismo, efeito que faz o pênis fica ereto continuamente, a picada também provoca dor intensa, taquicardia, perda do controle muscular, dificuldade respiratória e estado de choque – que podem ser fatais se não houver socorro médico.

TELAS DE VÍDEO EM AVIÕES PODEM ESTAR COM OS DIAS CONTADOS
Segundo um relatório da Bloomberg, as três maiores empresas aéreas dos Estados Unidos estão removendo os monitores de suas principais aeronaves. Isso tem a ver, em parte, com a tentativa das empresas de tornar as poltronas cada vez mais leves e menores.

Mas, obviamente, esse recurso também tem um custo. Com a popularização dos smartphones, tablets, inclusive laptops à bordo, as companhias estão repensando a utilidade das telinhas.

FILHO DE MAGISTRADA DELATA 12 DESEMBARGADORES
O advogado Vasco Rusciolelli Azevedo, citou em delação premiada o nome de 12 desembargadores baianos. Os magistrados são suspeitos de envolvimento em suposto esquema de grilagem venda de sentenças do Tribunal de Justiça da Bahia. Vasco é filho da desembargadora presa, Sandra Inês Moraes Rusciolelli.

O jurista teria entregue a Procuradoria-Geral da República uma microfilmagem de um suposto cheque depositado na conta de um dos citados na ação. Vasco teria contado ainda os detalhes sobre propina para compra de imóveis em condomínios de luxo na Praia do Forte. A Justiça deve homologar o acordo de delação premiada do advogado nos próximos dias.

Cortador inox de tortas e bolos na Maison Pitombo
Pedidos: (75) 98806-3055/3625-7772

Cédula

Lobo-guará estará estampado nas novas notas de 200 reais – Wikimedia Commons

BANCO CENTRAL CONFIRMA CRIAÇÃO DE CÉDULAS DE 200 REAIS
O mais novo personagem presente nas cédulas de real será o lobo-guará, e isso não implicará com a saída de nenhum outro animal de nossa fauna das notas, mas sim a implementação de uma nova. O Banco Central anunciou que novas cédulas, agora de de 200 reais irão entrar em circulação a partir de agosto.

A medida foi aceita pelo Conselho Monetário Nacional, e deverão ser impressas 450 milhões de exemplares da nota. Atualmente, apenas cédulas com o valor de 2, 5, 10, 20, 50 e 100 reais estão em circulação, e a diretora de Administração do Banco Central, Carolina Barros, afirma que a atitude veio em resposta à demanda da população por mais meio circulante.

O portal G1 apontou que, de acordo com Barros, a impressão de novas cédulas não tem a ver com a inflação, mas sim com um “sistema de metas. No momento, a inflação é baixa, estável, controlada”, afirma a diretora. A decisão ocorre depois do governo gastar, em um mês, 437 milhões de reais para a impressão de 100 bilhões de reais em dinheiro físico.

Entre as razões levantadas pelo Banco Central estão a crise do novo coronavírus, momento em que as pessoas — com medo das reações econômicas — passam a guardar o dinheiro em casa, retirando-o dos bancos. Além disso, ainda no universo da doença, foi uma medida necessária para arcar com o pagamento do auxílio emergencial.

Cortador inox de tortas e bolos na Maison Pitombo
Pedidos: (75) 98806-3055/3625-7772

Jornada

BANCO CENTRAL ANUNCIA LANÇAMENTO DA NOTA DE R$ 200
O Conselho Monetário Nacional aprovou nesta quarta-feira (29) a criação da nota de R$ 200, que terá como personagem o lobo-guará. Em comunicado, o Banco Central informou que deve imprimir 450 milhões de notas de R$ 200 até o fim de 2020.

ANSIEDADE EMPRESARIAL
A negociação entre a prefeitura de Feira de Santana e o sindicato dos Hotéis, Restaurantes, Bares e Similares segue um ritmo acelerado, os proprietários estão aguardando ansiosamente a sinalização do prefeito Colbert Martins para um novo diálogo.

VACINA CONTRA COVID-19
A vacina contra Covid-19 desenvolvida pelo Centro Nacional de Pesquisa para Epidemiologia e Microbiologia Gamalei foi transferida para análises à autoridade competente do Ministério da Saúde da Rússia.

Espera-se que o registo da vacina ocorra entre os dias 10 e 12 de agosto, a licença para sua distribuição civil deve ser obtida em 15 ou 16 de agosto, informou uma fonte à agência de notícias Sputnik.

THAMMY  NÃO VAI ESTRELAR FILME DA CAMPANHA DA NATURA
O público não sabe, mas o contrato de Thammy Miranda com a Natura não é para estrelar o filme e as fotos da campanha de Dia dos Pais da marca.

O filho de Gretchen foi contratado como influenciador, entre tantos outros que também fecharam com a marca – como Rafael Zulu e Babu Santana – para divulgar a campanha da empresa nas redes sociais.

Nem Thammy e nem a Natura ainda vieram a público esclarecer que a campanha não será como todos acham. A marca está esperando para saber que rumos a discussão sobre ter ou não um pai transgênero pode tomar.

História

Madre Paula

AMANTES DE REIS MAIS FAMOSAS DO QUE AS PRÓPRIAS RAINHAS
O casamento, para os nossos Reis, sempre foi um negócio. A grande maioria dos casamentos dos Reis portugueses foi realizado por motivos políticos. Não é de estranhar, portanto, que tenham sido poucos os casos em que existiu amor entre o Rei e a Rainha.

Por causa da mentalidade da época, ao Rei era permitido ter inúmeras amantes enquanto que a Rainha tinha que ser fiel e submissa. Ao longo da História, vários Reis tiveram amantes que se viriam a tornar mais famosas e reconhecidas do que as próprias Rainhas. Exemplo disso é Inês de Castro: todos nós conhecemos a sua história, mas poucos sabemos o nome da esposa oficial do Rei D. Pedro.

A relação com algumas das amantes deu origem a futuros Reis. Noutros casos, originou intrigas e massacres. Conheça as histórias de 5 amantes Reais que se tornaram célebres.

Pedro e a sua amante, Inês de Castro

Inês de Castro nasceu em 1320 ou 1325 na Galiza, era filha ilegítima do nobre galego Pedro Fernandes de Castro, o da Guerra, e de uma dama portuguesa, Aldonça Suárez de Valadares, e irmã de D. Fernando e de D. Álvaro Pires de Castro. Por parte de seu pai era bisneta ilegítima de D. Sancho de Castela, pai de D. Beatriz de Castela que era mãe de D. Pedro, futuro Rei de Portugal. Era, portanto, prima em 3º grau de D. Pedro.

Viveu parte da sua infância no castelo de Albuquerque cuja dona, que a criou como filha, era casada com Afonso Sanchez, filho ilegítimo de D. Diniz, até vir a ser aia de sua prima de D. Constança Manuel, filha de João Manuel de Castela, poderoso nobre descendente da Casa Real Castelhana e que estava prometida ao príncipe de Portugal, D. Pedro.

Inês de Castro chega a Évora, integrada no séquito de D. Constança, em 1340. Desde cedo foram conhecidos os amores de D. Pedro pela dama galega. D. Afonso IV, temendo esta relação, exila-a na fronteira espanhola em 1344.

Após a morte de D. Constança volta a Portugal, tendo vivido com D. Pedro, de quem vem a ter quatro filhos, o primeiro, D. Afonso, que morreu em criança. Viveram em vários locais na zona da Lourinhã e, por fim, em Coimbra no Paço da Rainha Santa junto ao Convento de Santa Clara-a-Velha, tendo sido degolada a 7 de Janeiro de 1355 por ordem de D. Afonso IV.

Da vida de Inês de Castro pouco se sabe, a sua trágica morte e o amor sem limites de D. Pedro e a forma como este quis perpetuar esses amores, alimentou desde cedo a poesia e a narrativa histórica, não deixando morrer o mito Inês de Castro.

Madre Paula

Esta freira portuguesa que se destacou como a amante mais célebre do rei D. João V, chamava-se Paula Teresa da Silva e Almeida, e nasceu em Lisboa em 30 de Janeiro de 1718. Era neta de João Paulo de Bryt, de nacionalidade alemã, que fora soldado da guarda estrangeira de Carlos V, e se estabelecera em Lisboa como ourives.

Paula entrou para o convento de Odivelas aos dezassete anos de idade, e ali professou, após um ano de noviciado. D. Joao V, frequentador assíduo do convento de Odivelas, onde mantinha vários amantes que ia substituindo conforme lhe parecia, ao topar com a jovem Paula ficou loucamente apaixonado por ela. Nessa altura, já a famosa freira se havia tornado amante de D. Francisco de Portugal e Castro, conde de Vimioso, e que pouco antes tinha sido agraciado com o título de marquês de Valenças.

O soberano não teve problemas, chamou o fidalgo e disse-lhe: “Deixa a Paula, que eu te darei duas freiras à tua escolha”. Assim se fez, e soror Paula passou a ser amante do rei que era trinta anos mais velho do que ela. A influência de Madre Paula sobre o rei foi imensa. Quem carecesse de uma mercê do soberano já sabia que a maneira mais segura de a conseguir, seria recorrer às valiosa protecção da madre Paula que o soberano visitava todas as noites.

A astuta freira, que sabia muito bem aproveitar-se do rei, transformou-se em pouco tempo numa verdadeira Pompadour. Das numerosas amantes de D. João V, foi a madre Paula a única que o soube dominar até à morte. O rei foi extremamente generoso não só com ela como também com a sua família, chegando o pai de Paula a ser agraciado com o grau de cavaleiro da Ordem de Cristo e a receber uma tença de doze mil Reis e outros benefícios que lhe permitiram viver à larga.

O luxo em que vivia Paula no convento de Odivelas, foi bem reproduzido num documento da época por Ribeiro Guimarães no seu Sumário de Vária História, onde descreve a magnificência asiática dos aposentos da madre Paula e da sua irmã. Para a servir tinha a madre Paula nove criadas. Destes amores nasceu um menino que foi baptizado com o nome de José, como o príncipe herdeiro, que foi chamado o mais jovem “Menino de Palhavã” e veio a exercer as funções de inquisidor geral.

Mais tarde, nos tempos de Pombal, numa discussão, atirou-lhe com a cabeleira à cara e foi desterrada para o Buçaco. A vida desregrada do rei escandalizava, não só a corte, mas até os súbditos mais humildes, mas ninguém se atrevia a repreender o régio devasso.

Após a morte do rei que lhe deixou uma mesada principesca, continuou no seu recolhimento, recebendo os grandes que ainda se lhe aproximavam. Assim se conservou durante trinta e cinco longos anos com a altivez de uma soberana em exílio. Faleceu com 67 anos de idade e foi sepultada na Casa do Capitulo do Convento de Odivelas.

Teresa de Távora

Mulher e tia do marquês de Távora, Luís Bernardo, e irmã mais nova do marquês de Távora Francisco de Assis.  Nasceu a 9 de Agosto de 1723, e casou com seu sobrinho a 8 de Julho de 1742. Era uma gentil senhora, ao que parece bastante leviana, e que foi, segundo todas as probabilidades, amante do rei D. José, ou que pelo menos lhe aceitava a corte. Diz-se que na noite da tentativa do regicídio, voltava o rei de casa da marquesa, acompanhado pelo seu criado e confidente Pedro Teixeira.

Depois do suplício de seu marido e das outras pessoas da sua família, ela nada sofreu, sendo apenas encerrada no convento das freiras do Rato, talvez com a ideia de em breve a soltarem, mas o rei, parece que depressa se esqueceu dela, pois no convento passou o resto da vida, falecendo, segundo se diz, em profunda miséria.

Leonor Teles

D. Leonor Teles foi a mais perversa e afortunada amante dos Reis de Portugal. Perversa porque foi capaz de tudo para conseguir os seus fins, inclusive provocar a morte da própria irmã, afortunada porque chegou a rainha de Portugal, casando com D. Fernando I. Leonor Teles de Meneses, natural de Trás-os-Montes, era filha de Martin Afonso Teles de Meneses e de D. Aldonça de Vasconcelos.

Casou muito nova com D. João Lourenço da Cunha, senhor de Pombeiro, de quem teve um filho, Álvaro da Cunha. Ambiciosa e perversa, de tal forma conseguiu insinuar-se no ânimo de D. Fernando – aquando das suas estadas no Paço, a pretexto de visitar sua irmã D. Maria Teles casada com o infante D. João – que o rei “Formoso”, indiferente a todos os conselhos e subestimando os altos interesses nacionais, resolveu unir-se à “adultera e barregã” , como lhe chamava o povo, apesar de comprometido pelo tratado de Alcoutim em casar com uma princesa castelhana.

“Louçã, aposta e de bom corpo” como dizia Fernão Lopes, Leonor Teles tinha então o perfil, que alguns diriam hoje, para mulher de sucesso. Amante do rei, quando mulher de João Lourenço, consegue que o casamento com este seja anulado, por sentença canónica baseada em questões de parentesco e casa com ela publicamente em Leça de Bailio entre 15 e 18 de Maio de 1372. Este casamento desagradou ao povo, e em Lisboa Fernão Vasques à frente à frente de muitos outros ergueu ingloriamente a sua voz.

Os protestos foram afogados em sangue, e Leonor recebe meio Portugal como presente de casamento. Receosa do prestígio do seu cunhado o infante D. João, filho de Pedro I e Inês de Castro, casado com a sua irmã D. Maria Teles, promete a este a mão de sua filha a infanta D. Beatriz, ficando portanto herdeiro do trono, mas teria que matar primeiramente a sua  mulher. D. João assim o faz, matando-a à punhalada e apresentando o pretexto do seu mau comportamento. Mas D. Leonor Teles casou a filha com D. João I rei de Castela e o infante assassino teve que fugir de Portugal.

Morto D. Fernando, em 22 de Outubro de 1383, Leonor que ainda em vida do rei, como dizia o povo, era amante de João Fernandes Andeiro, conde de Ourém, toma a regência do reino. Andeiro acaba por ser morto pelo Mestre de Avis e por Rui Pereira em 6 de Dezembro de 1383. Nas lutas e intrigas que se seguem foge de Lisboa para Alenquer, mas acaba por ser desterrada para Castela, e internada, na condição de prisioneira, no Mosteiro de Tordesilhas, onde morre a 27 de Abril de 1386.

Rosa Damasceno

A actriz Rosa Damasceno foi a amante mais mediática de D. Luís I. Como no território da “conquista”, o rei numismata usava um “nome artístico”, conseguiu manter relações extraconjugais sem que as suas amantes soubessem que era do monarca que se tratava. Não foi, todavia, o caso de Rosa Damasceno.

No princípio, sim. D. Luís fora-lhe apresentado por um amigo, como sendo um “tal Dr. Tavares”. Porém, pouco depois, a sua relação amorosa prosseguiu sem falsas identificações. Quando Rosa Damasceno terá ficado grávida do rei, já sabia que o Dr. Tavares era o pseudónimo deste soberano na pele de “conquistador”.

O rol de amantes de D. Luís foi deveras extenso. Por tal motivo, chegou a equacionar o divórcio e a abdicação do trono. Aliás, foram os acasos do destino que o fizeram ascender a rei de Portugal, por morte do seu irmão D. Pedro V. Curiosamente, este monarca censurava a vida boémia de D. Luís. Eram extremos opostos: segundo muitos, D. Pedro V, “pouco dado a senhoras”, nem sequer arrancaria a virgindade a sua esposa, que terá partido para o Céu “tão pura” como chegara à Terra. D. Luís I somou amantes e colecionou moedas.

Poliglota e inteligentíssimo, foi considerado o monarca europeu com maior formação em numária clássica e percursor das investigações oceanográficas, dignas deste nome. Importa sublinhar que uma das razões da manutenção do casamento real de D. Luís I e de D. Maria Pia assentou na reciprocidade das relações extraconjugais.

Com efeito, está por saber se foi o rei ou a rainha quem juntou maior número de amantes. Recorde-se que D. Maria Pia, cujo nome foi dado ao nosso jardim junto ao Mosteiro da Trindade, hoje Jardim da República, adorava Santarém. Adorava Santarém e tinha especial afeição pelo Visconde de Pernes, General Melo e Castro…